23 de janeiro de 2010

Dar sangue? EU FUI!


e sobrevivi ao enfermeiro vampiresco que me empacotou  uma litrosa de sangue
(do melhor que pode haver, hein!)

e nada como lamber portões para que os níveis da hemoglonina estejam no ponto (acima dos 12.5)

E TU?
do que estás à espera?
no próximo dia 8 de Fevereiro vem #twitdoarsangue no Hospital de Portalegre.

info com @joaoncardoso

#twitdoarsangue

Sábado dia 30 às 10h 
Instituto Português do Sangue de Lisboa Av. do Brasil, n.º 53 – Pav. 17

Info com @martasta

(there will be blood)

18 de janeiro de 2010

Triste sina a de alguns povos

A história repete-se. O mundo assiste a mais um fenómeno natural que devassa e destrói a vida a milhares de pessoas.
Depois de se assistir às imagens e relatos da desgraça, o mundo dito civilizado, toca a reunir esforços para angariar fundos com o objectivo de minimizar a desgraça alheia. Será apenas solidariedade com o próximo ou e também remorsos por até aquele momento nada se ter feito para colmatar as lacunas existentes no nível de vida a que um povo esta sujeito!?
Nada tenho a opor à ajuda pronta prestada pelos Estados Unidos da América, União Europeia, Reino Unido, Brasil e tantos outros a esta desgraça humanitária a que se assiste no Haiti. O problema é o antes…
Como é que nos dias de hoje se pode viver de consciência tranquila a ver um povo viver em absoluta miséria. Um povo que devastou uma floresta praticamente inteira só para obter recursos para se aquecer e fazer lume. Onde se vive, se é que se pode chamar a isso viver, da ajuda humanitária.
Mas não é o único país, onde todo um povo vive em condições não humanas.
Veja-se o caso de Angola, onde mais uma vez, o presidente, José Eduardo dos Santos adiou as eleições. E a Comunidade Internacional fecha os olhos, faz-se mouca, enquanto a miséria reina nos lares, os lordes do governo e suas famílias vivem na riqueza divina. Controlam as empresas que trabalham para o estado e ainda se dão ao luxo de investir e controlar empresas em outros países, onde Portugal não é excepção. E ninguém questiona a origem deste dinheiro. Dinheiro que podia e devia ser investido primeiramente na educação e em infra-estruturas que dêem dignidade às pessoas e à criação de empregos. É claro que percebo, que países destes não querem jovens com alto ou até médio nível educacional. Assim é mais fácil de serem submissos.
Há que criar novas medidas. Há que pressionar estes países a apostar na Educação, não de “lavagem cerebral”, mas de um ensino a sério. Não se pode comprar petróleo em troca de dólares ou Euros e fingir que está tudo bem. Se precisamos dos seus recursos, a verdade é que eles também o precisam de vender. Há que negociar.O “bloqueio económico” não é solução. Só faz sofrer ainda mais um povo.
Mas o que Angola tem a ver com o que aconteceu no Haiti? Nada! A não ser as condições miseráveis de vida em que o povo vive com toda uma Comunidade Internacional a olhar para o lado.
Custa-me ver as imagens vindas do Haiti, onde se vê pessoas de sorriso de orelha a orelha, por ter conseguido um pacote de bolachas. Custa-me ouvir um jornalista dizer que tem comida na mala do carro e tem de a comer às escondidas. Custa-me assistir às pessoas feridas e a finar à beira de um passeio sem qualquer tipo de ajuda. Crianças ao lado de cadáveres. Organizações humanitárias a distribuírem comida, atirando-a para o meio do povo faminto, como se atira milho às galinhas. Mas acima de tudo, o que me custa mais é ver que no mundo existem povos nestas condições e nada se faz… ficasse à espera que aconteça uma catástrofe natural, para então intervir.
Triste sina de um povo que só pode contar com a ajuda humanitária. Um bem-haja a essas organizações, como a AMI e a UNICEF que só mais não fazem porque não podem.

o apelo chegou-nos via Twitter - @anamacedocouto

Seja um potencial dador de medula óssea! Registe-se através das Brigadas CEDACE!



BRAGA, 29 Jan 9h-16h DOMIFER, Lda

MEALHADA, 30 Jan 9-17h Esc Sec Mealhada

PORTO,23 Jan 10-16h Bombeiros Voluntários Portuenses

ESTORIL,27 Jan17-20h Complexo Desportivo Ala Praia Estoril

PALMELA,23 Jan 9-13h Bombeiros Palmela

GUARDA,23 Jan 9-16h Centro Comercial Garden, loja 9

MATOSINHOS,21 Jan 10-16h Agrupamento Escola Matosinhos

AZAMBUJA,22 Jan 9-16h Centro Saúde Paroquial Azambuja

LISBOA,19 Jan 14-20h Ginásio Clube Português Lisboa

PORTO,20 Jan 9-12h30 Serviço Social Caixa Geral Depósitos

10 de janeiro de 2010

Dadores de medula triplicaram em três anos

No final de 2009 havia já 182 485 registados, o segundo maior número europeu



O número de pessoas inscritas no Registo Português de Dadores de Medula Óssea aumentou 28% no último ano e quase triplicou em relação a 2006, quando eram apenas 62 578. No final de 2009 havia já 182 485 inscritos, segundo dados avançados ao DN pelo director do Centro de Histocompatibilidade do Sul, Hélder Trindade.

O responsável admite que as iniciativas de particulares para salvar um familiar doente, como a campanha para encontrar um dador para a pequena Marta, acabam por ter grande impacto, contribuindo para que o Registo Português seja já o segundo maior a nível europeu.

Em 2009, o número de inscritos seguiu a tendência de aumento dos últimos anos e "ultrapassou largamente" as expectativas, o que se reflectiu também no aumento das colheitas de medula, explica o responsável. No ano passado foram feitas 49 e este ano, 55 - das quais 37 para doentes no estrangeiro e 18 para portugueses. No total, foram 47 os doentes que encontraram um dador compatível fora da família, já que outros 29 encontraram alguém compatível nos bancos internacionais.

Mais difícil é saber quantas pessoas precisam de um transplante de medula. "Este ano fizemos 2105 pesquisas para bancos estrangeiros e 357 para unidades nacionais, mas um doente pode fazer vários pedidos ao longo de um ano", explica Hélder Trindade. A maioria dos doentes transplantados tinha leucemia e era adulta.

O responsável reconhece que o número de inscritos aumenta de cada vez que há uma campanha. "Foi nítido que houve picos, pelo menos no Centro de Histocompatibilidade do Sul" - onde se encontra também o Centro Nacional de Dadores de Medula Óssea - devido ao "fenómeno Marta", diz. O número de pessoas a inscreverem-se nos centros cresceu 10 vezes em Abril, e esse efeito sentiu-se nos três meses seguintes. Também um campanha da rede social Twitter para angariar dadores de medula - a "twitt-medula" - ajudou a mobilizar mais pessoas, embora não tivesse o mesmo impacto.

Hélder Trindade explica que o organismo respeita esses apelos, que têm tido bons resultados, mas que tem de usar estratégias diferentes, menos individualizadas, nas suas campanhas. E alerta que seria bom as famílias avisarem os centros para se preparar um resposta adequada.

Para 2010 estão pensadas várias campanhas, que se podem também estender às redes sociais na Internet, revela Hélder Trindade. Um dos principais objectivos é aumentar o número de dadores de minorias étnicas. "Há comunidades que nos preocupam muito, como as de origem africana, porque temos dificuldade em contactá-las e manter esse contacto, já que são populações com muita mobilidade", explica. A comunidade asiática, que está em franco crescimento, é outra das prioridades.

O objectivo final é fazer que as pessoas se dirijam a um centro (ou hospital) onde se possam inscrever, de forma a aumentar a diversidade genética do registo. Hélder Trindade explica como funciona o processo para encontrar um dador compatível: "Primeiro procura-se na família. Se o doente tiver irmãos, por exemplo, cada um tem 25% de hipótese de ser compatível". Quando não tem, pesquisa-se no painel de dadores nacional e depois nos internacionais. "É uma questão de minutos até perceber se existe um dador compatível", diz. A nível mundial estamos muito perto de atingir os 14 milhões de dadores registados, conclui.

9 de janeiro de 2010

no Norteshopping: acção de sensibilização para registo de dadores de medula óssea




a fotografia é do querido @jfaias

ainda sobre o movimento #twittmedula

O que é a medula óssea? (Cf. Wikipédia)

A medula óssea, também conhecida como tutano, é um tecido gelatinoso que preenche a cavidade interna de vários ossos e fabrica os elementos figurados do sangue periférico como: hemácias, leucócitos e plaquetas.

A medula óssea é, pois, um órgão hematopoiético. Ela é constituída pelas linhagens que originam os três elementos citados acima, de células que tomam parte na fabricação do osso (osteoblastos e osteoclastos), de células e fibras que compõem uma malha para sustentar todas as células referidas (fibras e células reticulares). É onde estão as células progenitoras das células sanguíneas. Ali também têm origem as alterações que vão ser responsáveis por inúmeras doenças. No homem adulto sadio produz cerca de 2,5 bilhões de eritrócitos, 2,5 bilhões de plaquetas e 1,0 bilhão de granulócitos por kg de peso corporal.[1]
A medula óssea é constituída por um tecido esponjoso mole localizado no interior dos ossos longos. É nela que o organismo produz praticamente todas as células do sangue: glóbulos vermelhos (Eritrócitos), glóbulos brancos (Leucócitos) e plaquetas (Trombócitos). Estes componentes do sangue são renovados continuamente e a medula óssea é quem se encarrega desta renovação. Trata-se portanto de um tecido de grande atividade evidenciada pelo grande número de multiplicações celulares.
A medula óssea mantém-se em atividade intensa e ininterrupta para produzir células sanguíneas e para isso depende de abundante e contínuo suprimento de substâncias.
Para elaborar novos glóbulos vermelhos ela aproveita restos de glóbulos vermelhos envelhecidos e destruídos, ferro contido na hemoglobina é reaproveitado.

 Para ser um potencial dador de medula óssea, tudo começa com uma dádiva de sangue. Participe nas acções de recolha de potenciais dadores, organizadas um pouco por todo o país ou nos Centros de Histocompatibilidade perto de si.

esta #tribuh é só 'ssoas de cólidade! e que «radarizam» como ninguém



*vénia* ao nosso Ricardo Batista

3 de janeiro de 2010

1 de janeiro de 2010